Publicado por: Cidade Velha | Julho 3, 2008

Regresso de Cabo Verde – Ponto de situação

O grupo regressou recentemente de Cabo-Verde, onde passou cerca de nove dias para recolha de material vídeo e fotográfico do terreno. Se por um lado esta deslocação foi profícua em termos de material recolhido, que permite a modelação das principais incidências da Cidade Velha, por outro as condições de trabalho não eram as ideais, tendo em conta as dificuldades de acesso à Internet e de conciliação de horários de levantamento de material no terreno com horários de análise desse material e sua utilização. Esta situação obriga-nos a repensar o trabalho e a reavaliar os objectivos do mesmo, o que poderá influir na quantidade de alterações a efectuar. No entanto, o grupo continua a trabalhar no sentido de aproveitar algum do material recolhido para a criação de mais modelos 3D e mantém em vista também a conclusão e optimização da aplicação e dos documentos integrantes do projecto.

Anúncios
Publicado por: Cidade Velha | Junho 15, 2008

Modulo 4 – Implementaçao e lançamento da versão final

O grupo encontra-se neste momento a ultimar a esquematização das estratégias de lançamento, manutenção e suporte do projecto final. Em breve serão disponibilizados os documentos relativos a cada uma destas fases.

Publicado por: Cidade Velha | Junho 6, 2008

Apresentação

Findo o módulo 3, versão beta e teste, disponibilizamos aqui a apresentação, bem como o link para o site na sua versão actual.

modulo3

link: web.ca.ua.pt/cvis/homepage.html

 

Publicado por: Cidade Velha | Junho 4, 2008

Progressos alcançados

Concluída a versão beta da nossa aplicação e tendo em conta as alterações inseridas relativamente ao último momento de avaliação, achámos conveniente compilar uma listagem de todos os progressos que foram alcançados e que compõem esta versão, numa antevisão daquilo que será o produto final.

listagem-de-progressos1

Publicado por: Cidade Velha | Junho 4, 2008

Teste – Conclusões Gerais

Após a conclusão de todos os testes propostos no início desta fase (funcionalidade, compatibilidade, conteúdos, design e usabilidade), podemos agora tecer algumas considerações gerais acerca deste processo e dos resultados obtidos. No caso particular do teste de usabilidade é possível ler uma conclusão mais pormenorizada nos posts anteriores.

Em termos gerais podemos fazer um balanço bastante positivo desta fase de testes, tendo em conta que todo o processo correu de forma simples e os resultados obtidos foram muito satisfatórios. A reacção ao projecto por parte dos sujeitos envolvidos nos testes foi de grande aceitação e não foram descobertos, no decorrer deste processo, quaisquer erros que comprometam seriamente a viabilidade da aplicação ou a experiência do utilizador.

Mais concretamente, podemos afirmar que as principais funcionalidades do site se encontram operacionais. No entanto, o mapa e a mini-galeria ainda se encontram em estudo, uma vez que a alteração da plataforma que serve de suporte ao 3D obriga a novos mecanismos de programação que se revelaram algo complexos. No caso do mapa será adoptada, neste momento, uma solução provisória enquanto as questões de programação se encontram sob estudo. No caso particular da mini-galeria a apresentar em simultâneo com a Visita Virtual, esta deverá mesmo vir a ser descartada, considerando que este elemento acaba por se tornar redundante, tendo em conta a presença da galeria principal, acrescido ao facto de esta mini-galeria não poder apresentar imagens com um tamanho relevante.

No que concerne à compatibilidade, podemos concluir que este site se encontra optimizado para Mozilla Firefox. No Internet Explorer 7 a aplicação contém um erro menor que consiste numa redução pouco acentuada do tamanho da Visita Virtual em modo normal (não existindo qualquer problema no modo fullscreen). Estas conclusões são válidas quando utilizado o Windows XP ou Vista. Se o sistema operativo de suporte for Linux, o site é visível, mas não é possível explorar a Visita Virtual ou as fotos 360, uma vez que não existem instaladores disponíveis para Linux do Unity 3D ou do Quicktime. No caso específico do MAC OSX, utilizando o browser Safari, a aplicação não é totalmente visível nas resoluções menores, sendo que este browser não executa um ajuste automático da resolução do site.

Os conteúdos constituintes do site também foram testados com resultados satisfatórios, ainda que alguns se encontrem incompletos nesta fase ou sejam meramente exemplificativos. Neste particular, é necessário referir a qualidade dos modelos 3D, que é bastante realista, no entanto alguns dos objectos ainda apresentam algumas imprecisões nas texturas, sobretudo no caso do forte. Este problema de texturas é, neste momento, de resolução complicada, dada a complexidade de alguns objectos e a escassez de material fotográfico específico para a realização deste tipo de trabalho.

Para o teste de design recorremos à técnica de peer-review, recorrendo a uma avaliação especializada, neste caso efectuada pelo prof. Miguel Ferraz. Também neste capítulo, o balanço foi positivo, sendo a avaliação satisfatória em todas as componentes de design analisadas.

Em suma, podemos afirmar que esta fase de testes demonstrou que não existem erros graves na aplicação. Os únicos erros encontrados são erros menores, solucionáveis com pequenas alterações ou melhoramentos. No caso específico da compatibilidade, tornar esta aplicação totalmente funcional em todos os browsers implicaria uma solução mais complexa, mas no nosso entender uma aplicação funcional nos principais browsers e sistemas operativos é perfeitamente viável.

No anexo seguinte enviamos todas as “folhas de registo” referentes aos testes, exceptuando as tabelas relativas aos testes de usabilidade apresentadas anteriormente. Neste documento estão patentes todos os dados recolhidos ao longo dos testes, bem como comentários pormenorizados e explicativos do processo de testes e dos resultados dos mesmos.

tabelas-testes

Publicado por: Cidade Velha | Junho 3, 2008

Conclusão dos testes de usabilidade

Como já foi referido, na primeira fase de testes contámos com a colaboração de três cidadãos cabo-verdianos, no entanto, e não descurando o valor desta participação, ela é claramente insuficiente, uma vez que para termos um teste de usabilidade que se possa considerar completo é necessária a participação de pelo menos cinco indivíduos. De facto, nos testes de usabilidade aumentámos o número de participantes para seis numa tentativa de obter uma amostra suficientemente heterogénea. No nosso entender, este objectivo foi atingido em certa medida, tendo em conta que nos testes participaram indivíduos de diferentes idades, géneros, nacionalidades e áreas de emprego/estudo.

Apesar da diversidade referida entre os sujeitos participantes no teste, as suas opiniões e dificuldades foram relativamente idênticas, incidindo invariavelmente nos mesmos sectores. As considerações tecidas pelos sujeitos participantes foram praticamente unânimes no respeitante aos pontos fortes da aplicação, sendo que praticamente todos enalteceram o impacto e o realismo gráfico da Visita Virtual, a simplicidade e objectividade da navegação, bem como o grafismo geral da aplicação. As dificuldades registadas também se focalizaram em sectores bastante concretos, sobretudo no que diz respeito à movimentação na Visita Virtual, sendo que já existem também algumas soluções práticas apontadas. Foram ainda registadas outras dificuldades menores mas que na sua maioria podem ser solucionadas com um breve texto de ajuda.

Na primeira fase de testes alguns dos indivíduos testados tiveram alguma dificuldade em discernir os diferentes botões das galerias e houve uma sugestão de troca de posicionamento de alguns botões, no entanto, após a compilação dos resultados dos restantes testes e uma análise crítica por parte do grupo, estas questões parecem não criar problemas significativos, não justificando portanto alterações que poderiam prejudicar o conjunto gráfico construído.

Em suma, podemos fazer um balanço bastante positivo dos testes de usabilidade, considerando a reacção positiva dos sujeitos testados, sobretudo o seu agrado relativamente à Visita Virtual. Naturalmente, também foram detectadas algumas dificuldades, bastante focalizadas e relativamente simples de corrigir.

Como complemento a esta conclusão enviamos as seguintes tabelas:

· Think-aloud Protocol – com o registo das principais incidências referidas pelos sujeitos ao longo da navegação.

· Avaliação de usabilidade – tendo em conta os resultados dos testes e tomando as heurísticas de Nielsen como base (exceptuando a heurística Help and Documentation, uma vez que a ajuda encontra-se em fase de construção como resultado directo dos testes efectuados)

· Confronto de dificuldades encontradas/soluções (síntese)

· Dados relevantes dos sujeitos

tabelas_usabilidade

Publicado por: Cidade Velha | Maio 29, 2008

Primeira fase de testes de usabilidade

Na fase de testes da versão beta da nossa aplicação achámos que seria uma mais-valia a participação de cidadãos cabo-verdianos. Para este efeito foi realizada uma primeira fase de testes para a qual convidámos três estudantes cabo-verdianos da Universidade de Aveiro. O objectivo de incluirmos esta participação nos testes vai para além de testar a usabilidade da aplicação, tentando também aferir da sua adequação à cultura cabo-verdiana.

Este teste superou as nossas expectativas, não só pela recepção bastante positiva do nosso trabalho mas também pela quantidade e valor das sugestões apresentadas, quer através do diálogo directo com os participantes quer através da análise das dificuldades encontradas. O tratamento dos dados recolhidos até ao momento permite-nos fazer uma compilação dos pontos fortes e dos pontos a melhorar na nossa aplicação. As dificuldades encontradas foram quase sempre as mesmas, algumas delas causadas pela falta de ajudas (que serão colocadas após a fase de testes assim que percebermos quais as zonas que carecem mais deste tipo de apoio), outras que se prendem com questões de design, nomeadamente o posicionamento e o destaque atribuídos a certos elementos.

Para facilitar a interpretação dos dados recolhidos procedemos à elaboração de uma lista onde se encontram organizados os pontos positivos e negativos da aplicação até ao momento segundo as opiniões emitidas pelos indivíduos testados, sendo mais importante nesta fase dar maior ênfase aos pontos que requerem optimizações:

Pontos negativos:

· Todos os indivíduos testados denotaram uma certa dificuldade de reconhecimento dos controlos de movimentação na Visita Virtual e de adaptação aos mesmos. Os controlos são aparentemente simples, funcionando através das teclas direccionais e da movimentação do rato, no entanto a ausência de um texto explicativo deste sistema dificulta a compreensão do mesmo. Este problema poderá ser facilmente resolvido através da inclusão de um breve texto informativo e da redução da sensibilidade do rato, proporcionando uma navegação mais suave.

· Outra das dificuldades recorrentes nos testes foi a interacção com os botões de selecção das várias galerias. Quando solicitados para aceder à galeria do forte, a maioria dos sujeitos teve alguma dificuldade em reconhecer o botão de acesso a esta. Este problema parece dever-se a uma discrepância entre a linguagem visual adoptada nos botões superiores de selecção das diferentes áreas do site (que são sempre utilizados primeiro para iniciar a navegação, qualquer que seja o seu percurso) e os botões da galeria. Este problema também parece ser de resolução simples, bastando evidenciar o texto referente à área seleccionada e possivelmente atribuindo maior destaque aos botões através da adição de uma moldura em volta do texto, por exemplo.

· Outra das sugestões apresentadas foi a alteração da ordem dos botões do menu superior, passando o botão da Visita Guiada para o extremo esquerdo, trocando de posição com o botão “Visita Virtual”, que passaria para segundo lugar. Segundo um dos indivíduos testados, quem chega ao site pela primeira vez dificilmente fará ideia do que vai encontrar, pelo que deverá optar pela Visita Guiada, aparentemente mais simples e onde o utilizador poderá adoptar uma atitude mais passiva e obter uma contextualização que lhe permitirá posteriormente explorar a Visita Virtual de forma mais consciente. Esta troca na ordem dos botões é simples de efectuar, no entanto o grupo tem ainda algumas reservas, uma vez que a Visita Virtual é o principal elemento da aplicação. Ainda assim, uma Visita Guiada que possa causar bastante impacto poderá ser um elemento a considerar para colocar como ponto inicial da aplicação.

Pontos Positivos:

· Tal como esperado, a Visita Virtual foi a área do site que causou maior impacto, com uma receptividade bastante positiva dos indivíduos testados. Dentro desta área os aspectos que mais agradaram foram o dinamismo conseguido através do realismo e comportamento dos elementos naturais, sendo que um dos indivíduos testados chegou mesmo a referir a familiaridade do ambiente, aparentemente identificativo de Cabo-Verde.

· Outro dos pontos positivos referido foi o impacto gráfico da aplicação, em particular da Visita Virtual.

· A forma como a interactividade se desenrola ao longo da navegação também foi do agrado dos indivíduos testados.

· Alguns dos sujeitos testados gostaram também da inclusão de música na aplicação, mesmo apesar da disponibilizada actualmente não ser das mais indicadas.

Apesar dos resultados bastante satisfatórios deste teste de usabilidade realizado a três pessoas, consideramos que é ainda necessário o teste da aplicação com a participação de mais dois ou três indivíduos na esperança de dar um carácter heterogéneo à amostra e de encontrar áreas da aplicação que possam ser optimizadas.

Publicado por: Cidade Velha | Maio 19, 2008

Ponto da situação

Encontra-se próxima a conclusão de todas as componentes que não envolvem 3D, e portanto justifica-se um ponto da situação e uma auto-análise. Uma das situações que causou maior morosidade prendia-se com a interligação das várias i-frames que compõem a aplicação, situação esta que já foi superada. Em relação às componentes extra-3D acima referidas, destaque para a conclusão, para breve, da galeria de imagens, que incluirá fotografias 360º das localizações mais interessantes. Foram efectuados pequenos ajustes na iconografia da aplicação, de forma a ir de encontro às recomendações dos docentes, nomeadamente no ícone respeitante à galeria de imagens.

Finalmente, quanto ao 3D, encontra-se próxima a conclusão do Forte de S. Filipe, ainda que não seja totalmente fidedigno, por motivos que nos são externos. Paralelamente, estão a ser desenvolvidos os ambientes envolventes, assim como um investimento autodidáctico no Unity, a nova ferramenta de autoria 3D que será utilizada em cooperação com os POI’s criados.

Publicado por: Cidade Velha | Maio 19, 2008

Nova plataforma de integração 3D

Após a integração de vários modelos 3D em Adobe Shockwave começou a surgir um problema relacionado com o peso excessivo dos ficheiros, problema esse que poderia pôr em causa a inclusão da aplicação num ambiente online limitando-a a suportes offline que limitariam claramente o alcance da aplicação. Ponderando estas condicionantes é de todo o interesse que a aplicação possa funcionar de forma ágil num ambiente online. Para resolver este problema procurámos plataformas alternativas que possibilitassem um funcionamento da aplicação apoiado numa programação mais leve sem prejuízo para o aspecto gráfico da visita virtual ou para a navegação na mesma.

A busca efectuada produziu alguns frutos, nomeadamente a descoberta de uma aplicação bastante interessante chamada Unity e que consiste numa ferramenta de desenvolvimento de jogos. Esta ferramenta consegue aliar uma qualidade gráfica state of the art a uma navegação simples na primeira pessoa, tipo jogo de computador em ficheiros de tamanho bastante reduzido. O Unity apresenta ainda uma série de potencialidades interessantes:

* Possibilidade de edição de terrenos – o que permite a criação de um modelo do terreno da Cidade Velha relativamente fidedigno.
* Inclusão de colisões e outros factores físicos – tornando a navegação mais realista
* Inclusão de modelos 3D exteriores – este factor é determinante ao possibilitar a inclusão, na aplicação, dos modelos 3D criados em 3D Studio Max.
* Criação de texturas

Apesar do reconhecido potencial desta recém-descoberta ferramenta, esta apresenta ainda algumas condicionantes, tais como o funcionamento exclusivo em MAC OSX e o elevado preço da versão Pro. Ainda assim, esta última dificuldade está a ser contornada até ao momento, através da utilização da versão Trial.

Mais esclarecimentos sobre esta ferramenta poderão ser encontrados no site oficial da Unity – www.unity3d.com.

Um dos estudos realizados pelo grupo, com alteração de terreno e integração de um modelo 3D com texturas provisórias, encontra-se no site do projecto, na secção da visita virtual: http://web.ca.ua.pt/cvis/prototipo.html

Publicado por: Cidade Velha | Maio 15, 2008

Fase de Teste – Grelhas de suporte

No documento em anexo estão presentes as grelhas de suporte relativas a todos os testes a efectuar, assim como a listagem das técnicas de teste e recolha de dados a aplicar em cada situação.

grelhas-testes

Older Posts »

Categorias